quinta-feira, 26 de julho de 2012

Leão com ambição

O Sporting já ganhou no campeonato dos reforços. Gelson, Labyad, Rojo e Boulahrouz já cá estão, sendo que parece iminente a contratação de uma Viola.
A equipa leonina fez bem em se despachar da velha guarda. Polga, Rodriguez, Evaldo já não davam mais. A entrada de qualidade para sectores débeis da equipa é um sinal de rejuvenescimento e ambição. Com estas contratações mais os regressos de Adrien e Cedric, Sá Pinto tem matéria prima para lutar pelo titulo. No entanto, a perda de Matias Fernandez é perigosa e pode custar caro ao Leão, já que não há nenhum génio a fazer de 10 e o Sporting gosta de jogar pelo meio.
As contratações foram caras, veremos se no futuro terão retorno. Mas no futebol serão os resultados a ditar a sorte. No entanto, este leão parece-me com bastante ambição.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Raio X à nova época : Moreirense

O Moreirense respira confiança e tranquilidade para a nova temporada. Ao contrário da ultima passagem pelo primeiro escalão, a equipa de Moreira de Cónegos tem este ano mais condições para fazer uma temporada tranquilidade. 

Jorge Casquilha garante capacidade técnica. A base da equipa manteve-se, sendo que o futebol praticado pelo Moreirense é muito superior comparando com alguns clubes que já andam na 1ª há bastante tempo. É certo que os cónegos farão parte dos 9 clubes que lutarão para não descer mas existe motivo para confiança.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Novos "misters"

A época que começa agora é marcada por uma novidade. Muitos treinadores que se apresentam no campeonato são novos, ambiciosos e muitos deles fizeram a sua carreira no relvado. A aposta em  Nuno Espirito Santo, Paulo Fonseca, Marco Silva e Casquilha, e a manutenção da confiança em Sérgio Conceição, Pedro Emanuel, Sá Pinto e Pedro Martins  revelam um sentido de ambição por parte dos dirigentes dos clubes. Se durante anos tivemos de aturar a velha guarda que orientava dois ou três clubes na mesma temporada, é possível que nesta época venha a existir menos chicotadas psicológicas. Por uma razão muito simples: O tempo dado aos novos "misters" vai ser maior e a paciência também. 

O campeonato nacional é composto por 16 treinadores portugueses, e só os mais velhos Peseiro, Jesus, Caixinha, Rui Vitória e José Mota podem trazer maior estabilidade às equipas que orientam. Há juventude mas também existe qualidade técnica, pelo que grande parte tem possibilidade de chegar a um clube de topo. No entanto, esta juventude que agora está sentada no banco promete trazer qualidade técnica e equipas de ataque ao nosso campeonato. Tendo estes novos treinadores jogado nas principais equipas portuguesas, sabem perfeitamente como anulá-las.

É de saudar esta aposta de risco por parte da maioria dos clubes de 1ª liga.

Número 1

Aí está. Roger Federer venceu o seu 7º torneio de Wimbledon como se pode constatar pelo quadro electrónico atrás do suiço. Uma vitória sem espinhas perante um Andy Murray ainda verde para as grandes decisões.
Vitória e regresso ao topo do ranking ATP.....
Os campeões voltam sempre!

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Federer está de volta

É verdade, após alguns anos de ausência de finais do Grand Slam, Roger Federer está de volta à final de Wimbledon, talvez o piso que melhor se adequa ao seu estilo de jogo. Com a derrota de Nadal na 2ª ronda, Federer já é numero 2 do Mundo, o que lhe possibilita a faculdade de jogar as meias finais dos grands slams com um adversário teoricamente mais fraco, pois na outra meia final estarão Djokovic e Nadal. Daí que ao ter vencido hoje Djokovic e se ter apurado para a final, Federer pode ter aqui a fortuna de sonhar com o regresso ao topo da hierarquia. 
"Basta" que agora vença o sérvio nas finais.....E se Nadal o fizer nas meias, pode suceder que Federer chegue a numero 1 sem ter de ganhar ao seu mais directo concorrente que ainda continua a ser Nadal.
A luta entre os três continua e promete durar, agora com Federer a assumir um papel principal.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Raio X á nova época : Rio Ave

O Rio Ave inicia esta temporada uma nova era. Depois de anos com Carlos Brito ao leme, a equipa de Vila do Conde tem novo timoneiro. O objectivo é o mesmo, mas ir um pouquinho mais além que Carlos Brito costumava fazer. No entanto, por mero azar a equipa do Rio Ave não foi à Pré-eliminatória da Liga Europa. Mas a Académica acabou por ganhar a taça.
Sai Brito entra Nuno Espirito Santo. A aposta numa estreia e num treinador jovem saído dos relvados é politica para seguir nos próximos anos. Vai ser curioso ver a velha guarda ir embora e em sua substituição novos valores que foram rivais dentro dos relvados portugueses.
A aposta em Nuno Espirito Santo é arriscada mas em Vila do Conde já se ansiava por uma nova cara e que trouxesse um novo tipo de futebol para aqueles lados. Brito era adorado mas o facto é que o Estádio dos Arcos não lutava por mais do que a simples permanência.
Veremos como se dá o Rio Ave sem os empréstimos de Atsu e Yazalde, contudo a juventude de Joao Tomas ainda é uma arma importante.
O Rio Ave será o mesmo mas com uma pontinha de ambição própria de um treinador jovem.


terça-feira, 3 de julho de 2012

Raio X à nova época : Vitória de Setubal

Com o regresso aos trabalhos das principais equipas e com a nova época a recomeçar, faremos uma análise às equipas que estarão a disputar o campeonato nacional 2012-2013.
O primeiro a ser analisado é o Vitória de Setubal. José Mota pegou na equipa no fim do campeonato passado e conseguiu levar o Vitória com os mesmos problemas de sempre a um lugar respeitável na classificação. A vitória frente ao Sporting foi o ponto mais alto de uma temporada que ameaça a descida de divisão. Sabendo dos problemas com que este clube se debate, o fim do clube era uma realidade. No entanto, José Mota deu uma segunda vida a um clube que passa constantemente por dificuldades financeiras que se reflectem nos resultados. Não se entende como um clube que tem uma cidade apaixonada pelo seu vitória não consegue dar o passo em frente e garantir estabilidade. Assim sendo, todos os anos é sempre uma aflição e 2012-2013 não será excepção, embora com Mota ao comando poderá não haver grandes preocupações a nivel de equipa. O problema maior é mesmo a questão financeira.


Seria uma pena que o Vitória tivesse o mesmo destino que Leiria, Farense, Belenenses, Campomaiorense, entre outros. Este ano houve poucas mexidas no plantel o que poderá significar menos despesas na aquisição de atletas. Contudo não será de espantar que a meio da temporada se fale em salários em atraso ali para os lados do Bonfim.

Segunda oportunidade para Villas Boas

André Villas Boas é o novo técnico do Tottenham sucedendo ao histórico Harry Redknapp no comenado dos Spurs. Após o falhanço no Chelsea, Villas Boas muda-se para White Hart Lane mas continua em Londres. Será a segunda oportunidade que o futebol ao mais alto nível lhe dá. Se não conseguir agarrar os grupos que costumam dominar o balneário nestas equipas inglesas, André voltará a falhar. Caso contrário, poderá reiniciar a sua carreira. No Tottenham ninguém lhe pedirá titulos, pelo menos por enquanto, o que para André é uma boa noticia, já que pode enfrentar a liga inglesa sem pressão. No entanto, ser treinador do Tottenham não é fácil, até porque o clube tem crescido vertiginosamente. Repare-se o que aconteceu a Redknapp, andou a lutar pelo titulo mas na recta final perdeu o terceiro lugar para o Arsenal.
Uma vez no topo, qualquer deslizer será fatal e André sabe-o bem.
O primeiro desafio será entrar na Champions League.

O futebol inglês não esqueceu o "herdeiro" de Mourinho em terras de sua majestade, mas nesta nova aventura terá de ser mais eficiente. Até porque pode-lhe acontecer que caia no colo um cargo para uma equipa de topo...

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Duelo luso na Grécia

Para além de continuarmos a seguir a liga espanhola com interesse, por causa de Mourinho e com o provável regresso de Villas Boas a Inglaterra, este ano o campeonato grego vai ter um aliciante especial. Não que o campeonato vá parar, caso a Grécia entre em bancarrota, mas os dois principais clubes gregos terão como técnicos dois treinadores portugueses. O Panathinaikos continuará com Jesualdo Ferreira e o campeão Olympiacos tem ao seu leme o ex-bracarense Leonardo Jardim.

Isto quer dizer que, salvo algum acidente de percurso, o vencedor da liga grega será português. Vai ser interessante assistir a este duelo luso e com Fernando Santos, seleccionador a assistir por fora. Para Santos a comunicação com os dois clubes vai ser bastante mais fácil.

Veremos quem ganha o campeonato e se Jardim está na Grécia para fazer a ponte para o FCP. Vença ou não a liga portuguesa Vitor Pereira acabará a sua ligação ao clube no fim desta época. Até pode acontecer que aconteça uma troca de treinadores entre FCP e Olympiacos.

Regresso aos trabalhos

Hoje o futebol nacional está de regresso ao trabalho. Ainda não começaram os jogos mas as equipas retomam os trabalhos de pré-temporada. Benfica, FCP, Braga, Guimarães e outros regressam após um defeso pouco mexido. No entanto é um factor que se percebe tendo em conta a crise que atravessamos mas também o facto do Europeu ter agora acabado e as principais movimentações internacionais começarem-se a fazer agora. Não que os clubes portugueses venham a efectuar grandes transacções, mas porque dos excedentários das grandes equipas que se irão abastecer aos países que estiveram no Euro, pode haver um ou outro craque que venha parar cá a Portugal.

Sintoma da crise financeira é o facto de Benfica e FCP regressarem aos trabalhos sem grandes novidades. Nos encarnados Ola John é a principal figura, nos azuis fazem-se contas áqueles que ainda podem sair. Moutinho, Hulk e Alvaro Pereira são os mais cobiçados. Contudo, arrisco a apostar que iremos ter um campeonato com praticamente as mesmas figuras do ano passado. Isso será bom em termos de espectáculo pois não iremos assistir ao famoso período de adaptação por parte de algumas estrelas. A manutenção dos técnicos também servirá para que não se perca tempo a ensaiar novas tácticas. A garantia de permanência da maioria dos jogadores e a aposta na continuidade técnica são factores que Benfica, FCP e Sporting têm em vantagem no campo interno mas também externo, já que depois do brilharete da selecção, o futebol português vai estar sob vigilância.

Dos quatro grandes, o unico que mudou de técnico foi o Braga. Peseiro entrou para o lugar de Jardim que foi para a Grécia. Uma aposta forte de Salvador que pretende assim dar um sinal aos adeptos mais também aos jogadores. Esta será uma temporada para ganhar, nem que seja apenas a taça da liga, mas com Peseiro ao leme, a ambição do Presidente bracarense está na luta pelo titulo. Em termos de jogadores, ainda é cedo para se perceber a equipa-tipo, mas Peseiro deverá jogar no 4-4-2 losango que tanto sucesso deu no Sporting.

Com estes condimentos todos, há a garantia de espectáculo na frente do campeonato, porque daí para baixo vamos assistir a um campeonato dos pobres. O Guimarães anunciou um corte no orçamento e lutará pela manutenção, o Nacional é uma incógnita. O Maritimo e Olhanense poderão continuar as boas exibições da temporada passada. A vencedora da Taça andará a sofrer, até porque até Dezembro estará a jogar duas competições.

Curiosidade para ver em acção o "novo" Paços Ferreira de Paulo Fonseca, o Rio Ave que após decadas já não tem Carlos Brito, terá um estreante Nuno Espirito Santo e o Estoril Praia, vencedor da 2ªliga.

A melhor de sempre

O terceiro titulo alcançado pela selecção espanhola de forma consecutiva é o resultado de um trabalho que vem sendo desenvolvido pela Federação mas também por dois clubes : o Barcelona e o Real Madrid. Mais o primeiro que o segundo, mas a base desta selecção e forma dela jogar foi produzida pelo Barça, tendo Pep Guardiola sido o seu autor mais vísivel.

Neste Europeu apenas uma selecção não sofreu golos contra a Roja e até poderia ter eliminado a actual bicampeã. A selecção de Portugal foi a unica que descobriu o antídoto para travar o tiki-taka e os seus virtuosismos que até permite não jogar com um ponta de lança fixo. Croácia, Itália(duas vezes), Rep Irlanda e França sofreram aos pés da Roja e acabaram humilhados aos pés do futebol "carrossel". Portugal para além de ter anulado este labirinto conseguiu criar oportunidades de golo para que metesse a Furia no bolso. Não me lembro de, quer a França, quer a Itália de disporem de qualquer oportunidade de fazer tremer Iker Casillas.

Com apenas um golo sofrido, a Espanha é bicampeâ europeia com um titulo Mundial pelo meio. Segue-se o Mundial de 2014 que eternizará ainda mais esta equipa ou então marcará o fim de uma geração de ouro no futebol espanhol mas sobretudo no futebol mundial. Dificilmente a Espanha ou qualquer outro país conseguirá um feito igual ao da Roja, isto porque o futebol nos dias que correm é cada vez mais competitivo e equilibrado. Só mesmo as Super equipas como esta, estão acima de todas as outras. No entanto, o tiki-taka não dura sempre porque os intervenientes também envelhecem....